tintapermanente

COISAS DO ARCO-DA-VELHA

(...) Na madrugada de 15 de Março, milhares de bakongos (tribo do legendário Reino do Congo, cuja capital, Mbanza Congo, os portugueses rebaptizaram como São Salvador do Congo, quando ali chegaram, em 1482. Acrescente-se, a propósito que Holden Roberto era bakongo) pegaram nas catanas e massacraram mais de mil brancos e oito mil trabalhadores por todo o norte angolano. Nos dias que se seguiram a população branca, maioritariamente de Luanda, improvisou milícias, que responderam também com violência (em muitos casos perfeitamente gratuita) e, deste modo, começou uma guerra que se prolongou por 13 anos (para acabar mal), com evidente responsabilidade moral de quem a decidiu ou provocou.
21 de Março, em Luanda, milícias brancas atiraram o carro do cônsul americana a baía, pintaram os muros do consulado. No mesmo dia, em Lisboa, houve manifestações frente à embaixada americana. Apesar dos protestos, na semana seguinte, o secretario de Estado Dean Rusk chegou a Lisboa com uma proposta de Kennedy: a independência das colónias sob a forma de autodeterminação. (...)


ler mais
(clique aqui)

PÉSSANGA

Aquela história estrambólica falava sobre três coelhos. Deles, a singularidade de um chamar-se Pedro Pé, outro ter o nome de Pereira Pé e o terceiro calhar de ser o Peixoto Pé.
A narração não achou nada e não sabe onde perdeu os capítulos até ao dia em que o Pedro Pé se sentiu doente. Nesse dia o Pereira Pé e mais o Peixoto Pé levaram o Pedro Pé ao doutor.
Aí, depois de o ter observado com muita atenção, o médico chamou o Pereira Pé e o Peixoto Pé e entendeu que lhes devia dizer assim:
- Lamento, mas não tenho ciência que possa valer ao vosso amigo. - e acrescentou – Ele está seriamente enfermo.
Na verdade, uns dias mais tarde, o coelho Pedro Pé morreu. Foi muito triste para o Pereira Pé e para o Peixoto Pé, que ficaram profundamente desgostosos.
Teria passado pouco mais de um mês, um dia (...)


ler mais
(clique aqui)

a minha caixa de antonomásias
canho, apólida, nemetano, retratador, golipão, estupofóbico, nervino, exúbere, vilão, manés, alóctone, testaçudo, curumim, escarolado, querendão, rimador, tartufo, pirrónico, andarilho, filógino, falto, conseguidor, probo, cônscio, adeantado, morigerado, achegado, revel, pegado, lisproso, gosma. E vianês.


                                                                                                                                                                                                                                2006 copyright™ jorgesteves