tintapermanente

COISAS DO ARCO-DA-VELHA

Trinta e um é uma das expressões mais proliferas em torno de si própria: ‘esta discussão ainda acaba num trinta e um', ‘arranjaste um 31’, ‘mal chegou fez logo um trinta e um’, e tantas outras, além de algumas variantes como ‘faz dele trinta por uma linha’ ou ‘veio para cá com um trinta e um de boca’. Genericamente estamos a falar de sarilhos, asneira grossa, desaforo, barulho, pancadaria, enfim, de acções intempestivas e de resultados inesperados.
A origem leva-nos até onde? ‘Trinta e um’, parece não ter deixado um rasto escrito relevante: os únicos exemplos mais antigos sobre os quais conseguimos encontrar evidência são no ‘Fado do 31’, em 1913, no ‘Fado do Ganga’, 1916, e no ‘Fado do 17’, mais tarde, em 1936. Isto mostra que a expressão já era usada, pelo menos, desde o início do século XX. Anteriores a esta época, encontram-se apenas dois ‘trinta e uns’ que pudessem estar, assertivamente, na origem da expressão (...)


ler mais
(clique aqui)

PÉSSANGA

Trago-lhes aqui apenas uma simples receita que aprendi com a minha avó. Uma avó que nasceu ainda no século XIX e que, por sua vez, dizia, a recebera também da sua avó. Afinal, na boa verdade, é uma receita que me chegou do fundo dos tempos...
Vamos ao leite-creme: começamos por precisar de seis ovos frescos. Não é coisa fácil, para quem, como nós, há muito deixou de ouvir o cacarejar anunciador de que acabaram de ser postos. Talvez não saibam, mas eu ainda me lembro de ir ao capoeiro apanhá-los, logo pelas matinas, e de os tirar para um balaio, ainda quentes, depois de enxotar as galinhas do ninho. E, claro, de ter cuidado com o zaragateiro do galo careca que dominava a capoeira. Hoje, muita criançada deve achar que os ovos são produzidos em fábricas...
Mas continuando... os doces portugueses foram inventados para serem feitos sempre com muito açúcar. Era uma espécie de vingança dos antanhos que foram contemporâneos das descobertas das Índias e dos Brasis, depois de centenas e centenas de gerações limitadas à doçura do mel. (...)


ler mais
(clique aqui)

a minha caixa de antonomásias
canho, apólida, nemetano, retratador, golipão, estupofóbico, nervino, exúbere, vilão, manés, alóctone, testaçudo, curumim, escarolado, querendão, rimador, tartufo, pirrónico, andarilho, filógino, falto, probo, cônscio, morigerado, achegado, revel, pegado, lisproso, gosma. E vianês.


                                                                                                                                                                                                                        2006 copyright™ jorgesteves’